Português / English

mala voadora

A mala voadora vai criar um centro de atividades artísticas em Campilhas, Santiago do Cacém e, assim, iniciar um novo ciclo de atividade no Concelho. Os próximos dois anos serão inaugurais e incluirão um conjunto de iniciativas, desenvolvido no âmbito do projeto CAMPILHAS INTERNACIONAL, apoiado pelo Município de Santiago do Cacém e pelo programa Connecting Dots / EEA Grants, gerido pela Direção-Geral das Artes com o apoio da Noruega, da Islândia e do Liechtenstein.

CAMPILHAS e INTERNACIONAL são duas palavras que evocam duas escalas contrastantes: a escala de um lugar no concelho de Santiago do Cacém, onde há uma barragem, e a escala do mundo. São essas as duas escalas que balizam este projeto que pretende, por um lado, implementar-se a partir de micro-contextos e, por outro, estabelecer laços com aquilo que é longínquo.

 

O ponto de partida para as ações é uma análise detalhada do território, sobretudo naquilo que respeita à sua população. Partindo daquilo que sabemos, criámos linhas de ação especificamente adequadas a cada setor dessa população. A esta estratégia, junta-se ainda uma outra: a de um contacto progressivo com o terreno. Tratando-se de um território com uma significativa população dispersa, colocámos no centro deste projeto a criação de teatro radiofónico – um meio de comunicação imaterial que permite, não apenas vencer distâncias, como iniciar um contacto “não intrusivo” com os públicos.

Identificaram-se dois setores particularmente importantes devido à sua vulnerabilidade e maior dependência: escolas do ensino básico em contexto rural (43% da população escolar) e população sénior (25% da população). Em geral, reconhecem-se como fundamentais: a implementação de métodos inovadores que superem a distância, o desenvolvimento de públicos de modo diferenciado e a qualificação e promoção do território e dos seus agentes através da cultura.

Ao longo de 2 anos, cria-se uma rede de relações entre públicos, agentes culturais locais e o tecido artístico nacional e internacional que, não só alicerce o futuro, como continue a ser intensificada e expandida através das atividades programadas pela mala voadora na Barragem de Campilhas.

São entidades parceiras do projeto: o Município de Santiago do Cacém, a RÚV (Reykjavik, ISLÂNDIA), o BIT Teatergarasjen de Bergen (Bergen, NORUEGA), o Teatro Nacional D. Maria II, Franzisca Aarflot Produksjoner (Bergen, NORUEGA), Christiani Wetter (Vadus, LIECHTENSTEIN), membro do TAK Theatre Liechtenstein. Estão ainda associadas ao projeto a Rádio M24 (Santiago do Cacém), a Companhia Maior, o LU.CA – Teatro Luís de Camões, a A3S, e a Terra Amarela.

 

A mala voadora junta-se a um conjunto de parceiros da Noruega, do Liechtenstein e da Islândia para criar um novo fluxo de intercâmbio artístico com centro no concelho de Santiago do Cacém. Colocando alunos de escolas rurais em contacto com uma prestigiada dramaturga norueguesa, artistas amadores a trabalhar com uma diretora do Radiodifusão Nacional da Islândia, ou um ator da companhia local a contracenar com uma das mais reconhecidas atrizes da Islândia, CAMPILHAS INTERNACIONAL é um ambicioso programa que garante que a arte chegue efetivamente a todos, e que todos possam incrementar a sua qualidade de vida através dela. Desfazem-se limites e criam-se conexões. Para “ligar pontos”.

Vamos produzir peças de teatro radiofónico para a população escolar e levar à cena aquelas de que os alunos mais gostarem. Vamos até lares de idosos e centros de dia organizar chás dançantes para decidir o destino das personagens de uma série radiofónica. Vamos apresentar espetáculos já produzidos ao mesmo tempo que convidamos várias faixas de população a participar na produção de novos espetáculos. Vamos fazer teatro radiofónico ao mesmo tempo que garantimos formação a pessoas do Concelho para que comecem, elas próprias, a fazê-lo. Vamos iniciar uma nova relação com a população genérica do Concelho, mas garantindo a chegada aos nichos de população mais afastados da produção cultural e artística. Vamos receber no Concelho pessoas de comunidades artísticas nacionais e internacionais, mas para que este território seja objeto das suas atividades e que se verifique uma efetiva aproximação entre ambos.

O teatro radiofónico, que tem 100 anos, será reinventado como “espetáculo virtual”, através da participação de escritores, músicos e sonoplastas com uma declarada vocação experimental; o trabalho de um grupo de pessoas desempregadas será transformado em dança – um “ballet laboral”; a observação da realidade será transcendida através da sua ficcionação em audiowalks; os artistas seguirão aquilo que o público determinar; os processos de trabalho serão expostos e desmistificados perante o olhar de todos. Longe de entendermos as circunstâncias da missão a que nos propomos como uma adversidade, elas parecem-nos uma oportunidade de reinventar os próprios modelos de produção artística: “quem”, “como” e “o quê”.

 

Mais concretamente:

RADIOATIVIDADE tem como centro a transmissão de um conjunto de peças de teatro radiofónico escritas para este programa por 10 escritores portugueses, incluindo Afonso Cruz, Dulce Maria Cardoso, Gonçalo M. Tavares, Jacinto Lucas Pires, Miguel Castro Caldas e Patrícia Portela. Em cada ano letivo, os alunos irão escolher qual a peça de que mais gostaram para que a sua narrativa tenha continuidade, num audiowalk e no palco, no início do ano letivo seguinte.

TEMPO DE ANTENA tem como centro um folhetim radiofónico com texto original da autoria do dramaturgo Alex Cassal e destina-se à população sénior. Serão episódios transmitidos semanalmente pela rádio M24, em que haverá lugar para que os ouvintes decidam o modo como a narrativa radiofónica irá evoluir.

RADIO STAR visa formar um grupo de artistas amadores para, entre outras futuras iniciativas, produzir um programa radiofónico e protagonizar espetáculos de teatro. Vamos dar-lhes formação, acompanhá-los nas suas primeiras experiências e, depois, usufruir do que fizerem já de modo completamente autónomo.

Em PRODUKTIVISMO, um grupo de desempregados vai fazer aquilo que costuma fazer para exercer a sua profissão, e essa será a matéria do espetáculo, mas essas tarefas serão encenadas, coreografadas, musicadas, adquirindo qualidade formal. As ações produtivas, em cena, passam a ser uma representação e o ato de trabalhar perde o sentido – pressuposto de várias utopias.

TRANSMISSÃO é um projeto liderado pela islandesa Thorgerdur Sigurdardóttir que visa a produção de audiowalks que não são nem documentário nem romance, nem reais nem irreais, mas em que a realidade, ao ser ficcionada, se abre a perspetivas que a transcendem.

No âmbito de DIFUSÃO, serão apresentados ao público do Concelho 6 espetáculos da mala voadora e 4 espetáculos de outros artistas, de áreas artísticas variadas.

BLOOD STORIES LIECHTENSTEIN é um novo espetáculo que faz parte de um ciclo de espetáculos-dueto da mala voadora: um ator local e a atriz Christiani Wetter comparam os seus perfis genéticos e tentam identificar onde, quando e porquê os seus antepassados ter-se-ão cruzado.

No PROGRAMA DE RESIDÊNCIAS ARTÍSTICAS, os nossos parceiros BIT Teatergarasjen e TNDM II dirigem convites a projetos de colaboração entre artistas nacionais e estrangeiros. Serão realizadas 10 residências, num total de 30 artistas das mais diversas áreas. Os projetos serão posteriormente apresentados no TNDM II ou no BIT em regime de estreia ou acolhimento.

E haverá ainda atividades extra-curriculares nas escolas, matinés dançantes nos centros de dia, um workshop de rádio concebido pelo coletivo casaBranca para a comunidade escolar do ensino secundário, visitas às instalações da Rádio M24, sessões sobre temas feministas e sessões sobre racialização com Cristina Roldão.

 

No terreno, tem estado a trabalhar a Rita Monteiro.

 

Financiado por: EEA Grants

Cofinanciado: Município de Santiago do Cacém

Operador do programa: Direção-Geral do Património Cultural

Parceiro do programa: Direção-Geral das Artes

Promotor: mala voadora

Apoio: Fundação "la Caixa" / BPI

Parceiros:RÚV (Reykjavik, ISLÂNDIA), BIT Teatergarasjen de Bergen (Bergen, NORUEGA), Teatro Nacional D. Maria II, Franzisca Aarflot Produksjoner (Bergen, NORUEGA), Christiani Wetter (Vadus, LIECHTENSTEIN)

 

www.eeagrants.gov.pt