No seu filme “The Girl Chewing Gum”, John Smith sobrepõe, a imagens captadas numa rua de Londres, uma voz que parece dar instruções para o que acontece. A movimentação da rua parece ser pré-determinada pelo artista. Ele manda as pessoas atravessarem a rua, os carros passarem ou os pássaros voarem. Este filme é o contrário das falsas Histórias e das fake news: se estas tentam que uma ficção passe por realidade, o filme tenta que a realidade passe por ficção. Vamos recriar a experiência de Smith a partir de imagens do 25 de Abril de 1974, como se a revolução fosse a encenação de um artista. Para além de dar a conhecer os factos que garantiram a instauração de um regime democrático em Portugal, este espetáculo evidencia os mecanismos de construção ficcional e, designadamente, de construção de realidades manipuladas. A sobreposição da voz de comando a uma realidade que já aconteceu cria uma situação que é também propícia à des-banalização das próprias imagens. Queremos que as imagens do 25 de Abril de 1974 se mantenham intensas. O projeto terá como consultor Joaquim Furtado, Diretor-Coordenador de informação e programação da RTP durante vários anos. O seu percurso como autor de séries documentais tem uma dimensão que faz de Furtado um historiador do século XX português. E foi ele o locutor que, na madrugada do dia 25 de abril de 1974, leu o primeiro comunicado do Movimento das Forças Armadas, no Rádio Clube Português.

direção Jorge Andrade texto Jorge Andrade consultoria Joaquim Furtado com José Neves edição vídeo João Gambino cenário e figurino José Capela luz João Fonte direção técnica João Fonte equipa de produção Joana Mesquita Alves, Inês Soares Lopes, Sofia Freitas coprodução MAAT, Teatro Nacional D. Maria II e Escher Theatre (Luxemburgo)

A mala voadora é uma estrutura financiada pelo Governo de Portugal – Ministério da Cultura/Direção-Geral das Artes.

datas

26 e 27 abril ‧ MAAT Central (Lisboa)