Português / English

mala voadora

o melhor e o mais rápido, o pior e o mais triste, o mais longo, o mais complexo, o mais difícil e o mais divertido

Companhia Maior + mala voadora

Fala um de cada vez e todos se referem a uma coisa superlativa – o mais isto, o mais aquilo... Ou, como se lê no título, o melhor, o mais rápido, o pior, o mais triste, o mais difícil, o mais divertido. Mas não só. Fala-se também da coisa mais pequena do mundo, e da maior, da melhor maneira de morrer, da melhor cidade para se ficar apaixonado, da ideia mais perigosa do mundo, da coisa mais difícil de medir, da coisa mais difícil de fazer desaparecer de vez, da canção mais difícil de cantar num Karaoke, do momento mais solitário do dia, da posição mais difícil do ioga, da melhor maneira de cortar com o passado, dos melhores amantes, da pior maneira de ficar apaixonado, da melhor maneira de estragar uma história às pessoas, do melhor lugar para ter sexo, do super-poder mais útil que se pode ter, das piores piadas, da melhor maneira de sobreviver a um Apocalipse, ou a um divórcio, do objecto caseiro que mais facilmente se transforma em arma, da maneira mais agradável de acordar alguém, da pior maneira de dizer não, da maneira mais estúpida de dizer a uma pessoa que a amamos, da melhor maneira de dizer adeus e, enfim, da melhor maneira de acabar um acontecimento teatral. De tudo isto se fala no espectáculo, como num despique de opiniões que poderia acontecer numa reunião de família, ou num encontro de amigos, à volta de uma mesa a beber copos, ou num serão afundado em sofás. Cada um diz uma coisa ainda mais impressionante do que o anterior, ou expressa apenas as suas idiossincrasias: aquilo que o faz rir, ou ter medo, ou sentir-se optimista. Aquilo que os actores dizem, apesar de ter sido escrito por Tim Etchells, parece ter sido dito por eles próprios. Coisas banais. As coisas em que os nossos sentimentos se projectam na sua incontornável banalidade. Que fazem de nós “humanos”. Mas, para dizer estas coisas ao público, a Companhia Maior faz alguma cerimónia. Uma noite de gala.

Ficha Técnica

texto Tim Etchells . tradução Fernando Villas-Boas . direcção Jorge Andrade com assistência de David Cabecinha . com António Pedrosa, Celeste Melo, Cristina Gonçalves, Diana Coelho, Helena Marchand, Isabel Millet, Jorge Falé, Jorge Leal Cardoso, Kimberley Ribeiro, Manuela de Sousa Rama e Paula Bárcia . cenografia José Capela com fotografia de Bruno Simão e edição de imagem de António MV . figurinos José Capela . luz Daniel Worm d'Assumpção . banda sonora Rui Lima e Sérgio Martins . imagem de divulgação Amaya Gonzalez Reyes: Idea Brillante (2009) . fotografia de cena Bruno Simão . registo vídeo e vídeo promocional Jorge Jácome . produção executiva Luís Moreira, com o apoio de Manuel Poças e Joana Costa Santos . co-produção CCB, Companhia Maior e mala voadora . agradecimentos Comuna Teatro de Pesquisa, Eficácia Livre, El Corte Inglês, Palácio Foz, Teatro Camões, São Rocha Cabeleireiros

Agenda

24, 25 e 27 outubro 2014 às 21h . 26 outubro 2014 às 16h . Centro Cultural de Belém . espectáculoO melhor e o mais rápido, o pior e o mais triste, o mais longo, o mais complexo, o mais difícil e o mais divertido da Companhia Maior + mala voadora, com texto de Tim Etchells artista da cidade de Lisboa