Português / English

mala voadora

As Filhas do Diabo

O senhor Diabo também é pai, e as suas filhas são espantosamente formosas e inteligentes, porque estão no meio de dois mundos, de duas realidades, e podem viajar de uma a outra quando quiserem. Cada filha do Diabo tem a sua história. Uma delas foi princesa e só casou com um homem igual a ela em esperteza e engenho. A mais nova, Branca Flor, protegeu e ajudou o filho dum lavrador para corrigir uma injustiça. As filhas do Diabo defendem o amor, o único dos sentimentos que pode viver no céu e no inferno.

 

A tradição de contar estórias remonta ao momento em que o próprio Homem começou a comunicar. O teatro também surge da vontade do homem contar uma estória dramatizando-a e tornando-a mais real. O conto popular português tem relação com os mais variados contos de outros países da Europa, existindo, por isso, uma forte ligação entre o norte de Portugal e a Galiza. Assim sendo, a Limite Zero apostou trabalhar com Paula Carballeira, uma dramaturga Galega, que também tem um vasto curriculum em narração, a contar histórias e a fazer teatro. Encontramos assim uma sinergia fundamental para a construção da nossa próxima produção. A Limite Zero procura com este projeto manter a relação com o seu público juvenil e familiar, dramatizando dois contos de tradição popular portuguesa e galega que abordam a relação entre o Diabo e as suas filhas.

Ficha Técnica

encenação Raul Constante Pereira . dramaturgia Paula Carballeira . cenografia, marionetas e figurinos Jaime Azinheira e Raul Constante Pereira . música e sonoplastia Carlos Adolfo . desenho de luz Pedro Carvalho . interpretação Alexandre Sá, Raquel Rosmaninho, Raul Constante Pereira e Teresa Alpendurada . direção de produção Pedro Leitão . construção cénica Ana Pinto, Nuno Guedes, Rosário Matos, Sofia Barbosa e Teresa Alpendurada . costureira Alexandra Barbosa . co- produções Teatro Municipal de Bragança, Museu da Marioneta de Lisboa, Festival Internacional de Marionetas do Porto e Theatro Circo . apoios Somnorte – estúdios de som e audio-visuais e Fábrica da Alegria – Instituto Politécnico do Porto